Noticias

Programa Apoio ao Jovem Rural oferece capacitações teóricas e práticas em parceria com Seapa, Emater e Epamig

jovem Rural

A Fundação Educacional Caio Martins (Fucam) iniciará, a partir de 20 de março, um programa de capacitações em apicultura e fruticultura em seus seis centros educacionais. O programa Apoio ao Jovem Rural, que acontece em parceria com a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa); a Empresa Mineira de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) e a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), tem o objetivo de oferecer, aos jovens dos municípios atendidos pela Fundação, a oportunidade de se capacitarem de maneira teórica e prática nessas áreas. A apicultura é a atividade relacionada à criação de abelhas e produção de mel, cera e própolis. A Fundação já atua nessa atividade, auxiliando centenas de beneficiários que melhoram suas condições de vida por meio do aprendizado recebido nos cursos ofertados. Já a fruticultura é o ramo da agricultura que se dedica ao cultivo de frutas. Ambas as áreas representam importantes fontes de renda e desenvolvimento para a agricultura familiar em Minas Gerais.

O primeiro município a receber as capacitações será Buritizeiro, nos dias 20 e 21 de março, seguido por São Francisco e Riachinho em abril, Juvenília em maio, Januária em junho e Esmeraldas em novembro. Durante as capacitações, a Emater e a Epamig fornecerão informações sobre o panorama da Apicultura e Fruticultura em Minas Gerais, assim como informações sobre os produtos e funções relacionados a essas atividades.

O programa fornecerá aos jovens o acesso à novas tecnologias agropecuárias e produção sustentável, para que eles tenham autonomia e se adaptem à realidade local. É o que explica Mayara Marcia Sarsur Viana, assessora técnica da Seapa e gestora da ação Apoio ao Jovem Rural. “O fortalecimento da economia no campo e o incentivo à sucessão rural também são ganhos esperados através dessa ação”, conta.

Sob um ponto de vista humano e ético, Maria Alice Correa, Coordenadora do Centro Educacional de Buritizeiro, destaca a importância das capacitações para os jovens rurais, afirmando ser uma rica oportunidade para a construção de uma sociedade mais sustentável. “A juventude no campo representa a continuidade de um modelo de produção que respeita o meio ambiente e preza pela qualidade de vida. Queremos mostrar que os jovens podem obter um produto de elevada qualidade em uma região de potencial muito interessante”, explica.

A Fundação espera que, com o projeto, o público jovem e toda a comunidade sejam atraídos e se interessem em promover o desenvolvimento da região por meio da apicultura e da fruticultura, explorando o enorme potencial dos territórios em que a Fucam atua. É o que ressalta Teresa Cristina Gusmão, Gerente de Ações Socioprodutivas da Fundação. Ela também conta sobre o crescimento da apicultura em Minas Gerais, e das oportunidades geradas pela fruticultura, que permitem colheitas ao longo de todo o ano. “Buscamos fortalecer essas atividades por meio de capacitações que ressaltam a importância das atividades econômicas, o uso essencial de equipamentos de proteção e a adoção de técnicas apropriadas de trabalho”, diz.

As capacitações representam uma oportunidade única para os participantes aprenderem técnicas modernas e práticas para a produção agrícola, contribuindo, assim, para a geração de renda e o fortalecimento da economia local. 

Inscreva-se para a capacitação em Apicultura e Produtos das Abelhas clicando aqui.

 

Estudantes da Fucam unem esforços para alertar comunidade sobre a importância de prevenir a dengue

arredondado combate a dengue

O ano letivo começou diferente para os estudantes da E.E. Dom Joaquim Silvério de Souza, instituição gerida pela Fundação Educacional Caio Martins (Fucam) em Conselheiro Mata. No primeiro dia de aula eles se mobilizam, junto com a equipe pedagógica, para produzir cartazes, panfletos e materiais de conscientização a fim de alertar a comunidade sobre os riscos da dengue e divulgar maneiras de prevenir a propagação do Aedes Aegypti, mosquito transmissor da doença. 

O diretor da escola, Marcelo Rocha, conta que a decisão de trabalhar o tema foi tomada pelos alunos que, anualmente, propõem temas relevantes para atuar junto à comunidade. “Logo que eles retornaram, questionamos a respeito do que eles gostariam de fazer de trabalho social para iniciar o ano, e a atividade  que eles escolheram foi falar da dengue, exatamente porque começou um surto da doença”,explica. 

Segundo o diretor, os estudantes decidiram fazer cartazes e comunicados para entregar nas casas e na comunidade, a fim de combater a dengue a partir da escola. “Achamos a iniciativa positiva e apoiamos  o trabalho com o material e eles produziram cartazes informativos e passaram nas casas distribuindo, verificando se havia foco de dengue”, disse. A mobilização, que aconteceu nos dois primeiros dias de aula, deve continuar, conforme explica Marcelo. “Vamos ter uma reunião com a Superintendência Regional de Ensino (SRE) para ver quais as formas mais eficazes de combatermos a dengue nas escolas. Então, devemos continuar as ações posteriormente”, reforça. 

O envolvimento dos alunos com a comunidade é fundamental para combater a doença na escola e nos arredores. Anderson Cardoso da Silva, aluno do 9º ano do ensino fundamental da Escola Estadual Dom Joaquim Silvério explica que além do trabalho de campo, expandiram as ações para as redes sociais. “Também conseguimos divulgar no Instagram da escola, para que não só as pessoas da nossa cidade tenham conhecimento dos riscos que a dengue pode trazer, como as outras pessoas também”, enfatizou. 

Prevenção

A melhor maneira de prevenir a dengue é evitando a propagação do mosquito, que se reproduz em água parada. Tampar as lixeiras, não deixar pratinhos nos vasos de plantas e limpar o quintal são ações simples que podem ajudar a combater a doença. 

Mais informações e dicas estão disponíveis no site da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, disponível clicando aqui. 

Sintomas

Os sintomas mais comuns da dengue são dores no corpo, dor no fundo dos olhos, manchas vermelhas na pele e febre alta. Em caso de suspeita, procure a unidade de saúde mais próxima.

Fundação Caio Martins comunica suspensão temporária das atividades no Centro Educacional de Esmeraldas

nota a comunidade

 

Diante das adversidades, ocasionadas por agentes externos à FUCAM, vivenciadas no território do Centro Educacional de Esmeraldas, por motivo de segurança da comunidade atendida pela Fundação Educacional Caio Martins e de seus servidores, informamos que as atividades relacionadas abaixo estão suspensas temporariamente no local:

  • Oficina de Práticas Esportivas;
  • Oficina de Música;
  • Projeto de Apicultura;
  • Projeto de Horta Agroecológica.

Sabemos da importância de tais projetos para a comunidade Caiomartiniana e das consequências negativas de sua suspensão, mesmo que temporária. Mas, infelizmente, não restou outra alternativa à Fucam. Todos os prédios que são sede de atividades pedagógicas estão fechados.

Temos a expectativa que a situação se resolva em breve. Contamos com cada um de vocês para que a notícia seja repassada aos beneficiários de forma clara e que todos se mantenham motivados para o retorno das atividades assim que possível.

Atenciosamente,

Diretoria de Ações Educacionais, Sociais e Produtivas

Fundação Educacional Caio Martins

Escolas geridas pela Fucam promoveram uma semana de acolhimento e integração para estudantes e professores, reforçando o compromisso com a educação

 

WhatsApp Image 2024 02 08 at 14.05.39

 

Nesta segunda-feira  (05), as escolas geridas pela Fundação Educacional Caio Martins (Fucam) iniciaram mais um período letivo. Para a Fucam, é um momento de expectativas renovadas, de reencontros calorosos entre alunos e educadores, e de preparação para mais um ciclo de aprendizado e crescimento, como destaca Esther Augusta, gerente de Ações Educacionais da Fundação: "O início do ano letivo pode gerar grandes possibilidades sociais e de aprendizagem. Esperamos que esse momento auxilie no fortalecimento dos vínculos entre estudantes e professores, e entre comunidade escolar e centro educacional”, afirma. 

Dentre os alunos que dão vida às salas de aula da Fucam está Valéria Marques Antonini, do segundo ano do ensino médio da Escola Estadual Caio Martins, em Januária. Para ela, a expectativa é clara: adquirir mais conhecimento e concretizar o aprendizado de conteúdos importantes. "Eu gosto bastante dessa semana pela euforia e explosão de sentimentos. São dias de alegria e curiosidade. Espero que os conteúdos deste ano agreguem de forma positiva”, diz. 

Nesse retorno, as escolas da Fucam dedicam especial atenção à integração e acolhimento dos alunos. Os primeiros dias de aula são marcados por atividades que visam promover interação tanto com os novos estudantes quanto com os professores que estão ingressando na equipe, como ressalta a professora da E.E. Caio Martins, Amanda Reis. “Esse período é crucial para garantir que todos se sintam bem-vindos e valorizados no ambiente escolar. Apresentamos aos novos alunos e funcionários as estratégias e espaços pedagógicos que temos na nossa escola e na nossa Fundação. O espaço da horta, das oficinas de música, entre outros. Apresentamos também todos os nossos servidores, pois consideramos que todos eles são educadores”, ressalta.

Valéria foi uma das alunas escolhidas para auxiliar no acolhimento dos novos alunos. Ela conta que este momento é crucial para que todos se conheçam melhor. "Nos primeiros dias trabalhamos com didáticas para conhecer mais os estudantes e professores. Fizemos o acolhimento de nossos alunos em todos os turnos para que se sentissem bem-vindos e mostramos que a escola Caio Martins é um lugar de acolhimento, e não de julgamento”, conta.

Reforçando o compromisso com a educação no campo, a Fucam enfatiza a importância de proporcionar aos alunos experiências que os conectem com o ambiente ao seu redor. Além de conhecerem os espaços externos e os centros educacionais, os estudantes são incentivados a realizar atividades ao ar livre, explorando a natureza e compreendendo a importância da preservação ambiental. Essa imersão enriquece o aprendizado dos estudantes sobre a biodiversidade e os ecossistemas locais.

Fundação tem matrículas abertas para oficinas de música, práticas esportivas, danças folclóricas, fanfarra e saúde e bem-estar

arredondado oficinas fucam 2024

 

A Fundação Educacional Caio Martins (Fucam) abriu 2160 vagas para oficinas em seus Centros Educacionais e Escolas. Serão ofertadas 840 vagas para o projeto de Música, 960 para Práticas Esportivas, 120 para a Oficina de Fanfarra, 120 para a Oficina de Danças Folclóricas e 120 vagas para a Oficina de Saúde e Bem-estar.  As atividades fazem parte das ações educacionais da Fundação planejadas para o ano de 2024. 

O propósito dessas iniciativas é potencializar as habilidades dos estudantes, promover a integração com a comunidade e enaltecer a riqueza cultural local. O objetivo central é estabelecer uma colaboração harmônica entre as escolas, centros educacionais e a comunidade, visando impulsionar o crescimento dos estudantes. Os participantes das oficinas terão a oportunidade de adquirir conhecimentos em diversos instrumentos musicais, explorar várias modalidades esportivas e mergulhar na cultura local, valorizando tanto a saúde quanto o bem-estar.

As oficinas serão ofertadas para toda a comunidade escolar. Alunos matriculados nas escolas geridas pela Fucam terão prioridade para o preenchimento das vagas. 

Para conhecer as vagas ofertadas em sua localidade e realizar a matrícula, é necessário que os interessados ou responsáveis procurem as secretarias dos Centros Educacionais da Fucam até o dia 07 de fevereiro. As oficinas de fanfarra, danças folclóricas e saúde e bem-estar são ofertadas apenas em Riachinho. Todas as atividades são gratuitas.